Programa DESEMPENHO MÁXIMO

O Programa +Leite Intensivo, é um programa nutricional voltado para produtores que tem em sua propriedade, animais com lactações superiores a 3.000 kg de leite por ano. Desta forma, estes animais necessitam que suas dietas sejam compostas por alimentos volumosos de qualidade e complementadas, em muitas situações, com quantidades crescentes de alimentos concentrados de acordo com o nível de produ- ção de leite.

A quantidade de grãos fornecidos e o tipo de processamento dos grãos para aumentar o aproveitamento do amido, aumentam a velocidade de degradação destes alimentos no rúmen, além de afetar o número e as espécies de bactérias e protozoários presentes na microbiota ruminal. Estes fatores refletem na alta incidência de sobrecarga por grãos nos animais confinados e ocorrência de acidose ruminal (baixo pH no rúmen). Desta forma, o programa visa aumentar a produtividade através da saúde ruminal dos animais. Normalmente, há no rúmen um equilíbrio entre bactérias celulolíticas e bactérias que usam carboidratos. Qualquer alteração neste mecanismo ocasiona indigestão, disfunção ruminal e absorção de toxinas. A ingestão de quantidades excessivas de alimentos altamente fermentáveis pelo ruminante é verificada com 2 a 6 horas pela marcante mudança na população microbiana do rúmen. Há um acentuado aumento no número de Streptococcus bovis, os quais utilizam os carboidratos para produzir grandes quantidades de ácido lático. Na presença de quantidades suficientes de carboidratos, o S. bovis continuará produzindo ácido lático que diminuirá ainda mais o pH ruminal, a tal ponto que são destruídas as bactérias celulolíticas e os protozoários.

Além do S. bovis, proliferam-se os lactobacilos e bastonetes Gram-positivos, e em pH baixo, estes utilizam grandes quantidades de carboidratos do rúmen para produzir maior quantidade de ácido lático. A medida que o pH ruminal cai, a amplitude e a frequência dos movimentos do rúmen diminuem e com o pH ao redor de 5 há completa parada ruminal.

Portanto, a ação dos ionóforos e antibióticos não ionóforos na prevenção da acidose lática, justifica a utilização destes aditivos para animais confinados, devido aos efeitos comprovados no controle das popula- ções de microorganismos como Streptococcus bovis e Lactobacillus sp., o que explica a existência da maioria dos estudos científicos reportados na literatura com uso destes aditivos para animais em confinamento. Os suplementos minerais Matsuda específicos para animais em sistemas intensivos de produção leiteira possuem, além dos minerais essenciais em níveis adequados para estes animais de alta produção, aditivos nutricionais como a lasalocida sódica (ionóforo) e a virginiamicina (antibiótico não ionóforo), com objetivo de prevenir a ocorrência de acidose ruminal e como consequência, aumentar a produtividade através da saúde ruminal.

Topo